XIIº Congresso da FIPF, 21-25 julho 2008
Faire vivre les identités francophones
Centre des Congrès, Quebeque

Este congresso decorreu no Centro dos congressos da cidade do Quebeque e juntou mais de mil participantes oriundos de vários continentes. Os cinco dias constituíram um momento privilegiado para refletir sobre os desafios das identidades francófonas, o ensino e aprendizagem do francês e as suas diversas abordagens.
A abertura oficial reuniu uma prestigiosa tribuna de personalidades representando numerosas instituições do espaço francófono e realçou os esforços desenvolvidos pela província do Quebeque e pelas variadas redes de colaboração na realização do evento. Os discursos, nomeadamente dos membros do governo do Quebeque e de Abou Diouf, abriram perspetivas bastante promissoras para os trabalho e a conferência de abertura proferida por Rachida Azdouz apontou as diversas ambiguidades da identidade francófona.
Um vasto conjunto de intervenções (oficinas, conferências e mesas redondas) proposto por professores e especialistas em didática permitiu um intercâmbio de práticas e de experiências e uma reflexão sobre o novo fôlego necessário para a francofonia no espaço educativo e mediático, os desafios tecnológicos e a problemática do plurilinguismo no Quebeque e no resto do mundo.
Momentos de convívio durante as pausas ou as refeições assim como manifestações culturais de grande qualidade marcaram estes dias de trabalho e facilitaram a criação de redes de contactos para o desenvolvimento de projetos.
A Assembleia geral encerrou os trabalhos e a direção da FIPF apresentou o balanço de atividades e o balanço financeiro e anunciou a cidade do congresso mundial de 2012 : Durban na África do Sul. De seguida, as eleições designaram Jean-Pierre Cuq (França) como presidente, Raymond Gevaert (Bélgica) e Pei-Wha Chi Lee (Taiwan) como vice-presidentes para o mandato 2008-2012.
Em suma, um congresso muito bem organizado, trabalhos de qualidade bastante irregular e sobretudo um agradecimento sentido ao Quebeque, este belo país, grande defensor da língua francesa.